A Igreja Evangélica Pentecostal de Cuba ′′Assembleia de Deus′′ Jeová Shalom, da Cidade de Holguín, precisou começar a se reunir em locais públicos após ter seu templo fechado pelas autoridades cubanas.

“Nossa congregação está sendo atacada e, portanto, passando por provas muito fortes, por isso pedimos a todos a sua oração intercessora. Somos uma igreja abençoada, crescente, espiritual, firme e unida em Cristo”, escreveu a igreja em seu perfil do Facebook.

Os pastores dizem que o fechamento aconteceu de forma arbitrária: “Eles não nos deram nenhuma opção ou alternativa para negociar. Ao contrário, foi um fechamento retumbante, arbitrário e sem solução”.

Autoridades do Ministério da Justiça, do Planejamento Físico, do Partido Comunista da província e agentes da Segurança do Estado em Cuba perseguem há três meses uma igreja evangélica em Holguín, segundo o jornalista do jornal Diario de Cuba, Yaiset Rodríguez.

Entre junho e julho de 2020, os pastores Uberney Aguilar e Yalina Proenza receberam visitas e intimações oficiais em pelo menos seis ocasiões, com o objetivo de ameaçá-los e obrigá-los a suspender definitivamente seus serviços religiosos.

Cerca de 60 pessoas se reúnem desde 15 de fevereiro de 2017 na igreja de Jeová Shalom, que “é devidamente reconhecida por nossa denominação e tem todos os livros para fazer seu trabalho corretamente”, afirmam os pastores, credenciados pelas Assembleias de Deus em Cuba.

Seus membros afirmam ter excelentes relações com a comunidade, mas suspeitam que as autoridades querem fechar a igreja e impedir seu crescimento porque “Ernesto Santiesteban Velázquez, que foi nomeado há dois anos o primeiro secretário do Partido Comunista Cubano na província, mora perto”.

Membros da Igreja Jeová Shalom se reuniram em um parque depois que sua igreja foi fechada. (Foto: Reprodução / Igreja Jehová Shalom Facebook)
Membros da Igreja Jeová Shalom se reuniram em um parque depois que sua igreja foi fechada. (Foto: Reprodução / Igreja Jehová Shalom Facebook)

“As provas nos fortalecem e unem, nos permitem ver a poderosa mão de Deus agindo em nosso favor. Em Cristo somos mais do que vencedores e como somos filhos de quem não perdeu uma batalha: a vitória é segura e contundente”, disse o Pr. Werney Aguilar aos fiéis reunidos no parque para a escola dominical.

“Pregamos sobre a mentalidade de vencedores e dependentes de Deus. A abençoada palavra de vida declara em Romanos 8:31 “O que diremos, pois, a isto? Se Deus é por nós, quem será contra nós? A Deus, glória. Aleluia”, disse o pastor.

Assédio desde 2019

Os inspetores de planejamento físico, funcionários provinciais do partido e autoridades do Ministério da Justiça têm perseguido a congregação para impedi-la de se reunir desde 2019.

A propriedade onde se reúnem está em nome de um membro da igreja. Em 2019, eles pediram permissão ao Ministério da Justiça para realizar cultos de adoração, mas não receberam resposta em tempo hábil.

Em 9 de julho de 2020, o diretor provincial de Justiça de Holguín, Nelson Flavio Plutín Santos, e o chefe do Departamento de Associações, Ormani Rodríguez Tamayo, finalmente negaram à congregação o direito de se reunir em sua propriedade, outra violação da liberdade religiosa que a Constituição cubana afirma respeitar, diz o jornalista.

Uma das formas pelas quais o governo reprime os grupos religiosos é não reconhecer novas associações, denominações ou locais de culto como “legais”. A Lei Cubana de Associações exclui novos grupos religiosos e ou associações de igrejas que desejam operar dentro do quadro legal.

Brecha legal permite arbitrariedade

Uma brecha na legislação cubana é usada para limitar o crescimento e a organização de grupos religiosos como parte da sociedade civil. Centenas de igrejas e dezenas de grupos religiosos permanecem não reconhecidos.

Graças a esse limbo legal, o governo demoliu templos em todo o país, destruiu e ou confiscou propriedades, multou e prendeu pastores por “associação ilícita” e outros supostos crimes.

Foi o caso do pastor Ramón Rigal, que está em liberdade condicional até fevereiro de 2021. Rigal foi condenado por educação em casa e “associação ilícita”. Sua igreja em Guantánamo não estava registrada no Registro de Associações do Ministério da Justiça.

Aquele ministério também determinou em 14 de janeiro, por meio da resolução nº 2/2020, “negar o pedido de constituição da associação fraterna Aliança das Igrejas Evangélicas de Cuba”.

As autoridades, por meio do Gabinete de Assuntos Religiosos e agentes da Segurança do Estado, maltrataram os dirigentes deste grupo, que representa uma maioria evangélica na ilha.

Há uma campanha para desestimular a formação da Aliança do estado e dos blogs a serviço do regime. Eles não reconhecem os propósitos estabelecidos em seu ato de fundação e os difamam argumentando que recebem financiamento da CIA. Eles também regulamentaram as viagens de seus representantes ao exterior.

O ataque à Igreja de Jeová Shalom, que agora realiza seus cultos ao ar livre, mostra os mecanismos e intenções das autoridades em Cuba: congelar o estatuto jurídico das organizações religiosas históricas para limitar sua influência social, para impedir a abertura de lugares de culto e para fechar as portas à legalização de novas alianças, associações ou grupos.

Fonte: Guiame