Comerciantes investem em descontos variados nesta sexta-feira (29), quando a Black Friday acontece oficialmente. Ao longo da semana, lojistas anteciparam liquidações. Mas quem esperou por preços ainda mais baixos, pode ter boas surpresas ao longo do dia, com reduções de até 70%.

Em Ribeirão Preto (SP), shoppings funcionam em horário diferenciado e o comércio de rua espera movimentação intensa. A expectativa, segundo o Sindicato do Comércio Varejista (Sincovarp), é de crescimento nas vendas entre 10% e 20%, em relação ao ano passado.

O chefe do Procon de Ribeirão Preto, Feres Junqueira Najm, lista algumas dicas para quem vai às compras nas lojas físicas ou na internet.

1. Cotação de preços

Najm afirma que a pesquisa é essencial para que o consumidor tenha certeza sobre idas e vindas de preços. Sites de serviço de cotação oferecem comparativos por períodos, e são uma boa opção de consulta.

“É importante a pesquisa antecipada. O consumidor tem que buscar as informações antes. Se ele tem um desejo de adquirir algum produto, procura acompanhar. Normalmente, os grandes fornecedores, aqueles que são sérios, eles concedem descontos mesmo.”

2. Direitos preservados

Segundo Najm, a ideia de se adquirir um produto com desconto é uma ação comercial, e não altera o direito do consumidor. O prazo de garantia legal para bens duráveis é de 90 dias e para bens consumíveis, de 30 dias.

Há também a garantia contratual, que é oferecida pelo fabricante ou lojista sem custo algum ao consumidor. É importante observar se o termo de garantia menciona ou não o prazo.

3. Compra consciente

Os comerciantes estão otimistas com a circulação de mais dinheiro na praça. Os saques do Fundo de Garantia do tempo de Serviço (FGTS) e o pagamento do 13º salário são alvos dos lojistas. No entanto, najm afirma que é necessário calcular a vontade de comprar.

“Tente aproveitar e comprar com consciência. Se tiver dívida, priorizar a dívida. Mas, se tiver condições de comprar, compre com consciência, faça pesquisa, faça uma compra saudável.”

4. Segurança

O chefe do Procon alerta para o risco de compras na internet. Ele orienta que elas sejam feitas diretamente no site oficial da marca, e não nas redes sociais. Sites com sistemas de pagamento protegido usam, via de regra, “https://”, com dados criptografados, ou a imagem de um cadeado.

“O ideal é não se comprar em mídias sociais, porque pode ser fraude. Desconfie de benefícios muitos grandes. Vá ao site oficial da empresa, verifique se existe mesmo aquilo, já veja se tem aquele cadeadinho para não correr o risco de colocar os dados em lugar que pode ser reutilizado, clonagem de cartão”.

O Procon tem uma lista com empresas on-line, que foram notificadas pelo órgão após reclamações e que não responderam aos questionamentos.

5. Política de trocas

As condições para troca de mercadorias em lojas físicas devem estar claras no momento da compra. De acordo com o código de defesa do consumidor, o estabelecimento não é obrigado a realizar a troca, mas pode ofertá-la, independentemente do problema. É importante ter a nota fiscal, que serve como garantia em caso de problemas.

Fonte: G1