Os meios de comunicação na China informaram que o governo de Qingdao, uma importante cidade portuária na província oriental de Shandong, lançou uma operação de três meses em setembro para reprimir atividades religiosas.

A iniciativa faz parte da campanha nacional para “limpar os crimes de gangues e eliminar o mal”.

Fontes disseram ao Bitter Winter que, durante uma reunião secreta convocada antes da operação, as autoridades designaram cotas para a prisão de crentes de várias denominações e movimentos religiosos, variando de 100 a 200. Também foi exigido agilizar a prisão dos crentes identificados por meio de denúncias dos residentes.

A Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG) foi designada como um dos principais alvos. De acordo com os dados fornecidos pela Igreja, como resultado das operações de prisão implementadas em Shandong neste ano, pelo menos 1.041 membros foram presos; 377 foram detidos, 118 sentenciados e mais de 1.170 assediados pela polícia. Os ativos confiscados totalizam 2,84 milhões de RMB (cerca de US$ 410.000).

Um policial que participou da operação disse ao Bitter Winter que as ações contra o CAG foram iniciadas em outubro. As prisões planejadas foram mantidas estritamente confidenciais, de modo que policiais de outras áreas foram trazidos para realizá-las para garantir que nenhuma informação vazasse. Eles receberam informações sobre os alvos específicos o mais tardar no momento possível antes do início da operação.

Antes da operação, a polícia conduziu uma investigação completa dos membros do CAG, rastreando-os e monitorando-os usando os sistemas de vigilância, disponíveis nos projetos “Skynet” e “Sharp Eyes”. Os policiais encarregados de seguir os crentes receberam bicicletas elétricas para se movimentarem.

Membros do governo revelaram a Bitter Winter que Pingdu, uma cidade administrada por Qingdao, foi escolhida como o ponto de partida da repressão contra o CAG.

Batalhão

Cerca de 1.000 policiais especiais das cidades vizinhas foram mobilizados para se reunir em Pingdu já em 7 de outubro. Alguns dos policiais também participaram da operação para reprimir os protestos de veteranos na cidade no ano passado.

Em 1º de novembro, o Departamento de Segurança Pública da cidade de Pingdu enviou mais de 200 policiais para invadir 24 locais de reunião da CAG na área que havia sido monitorada antes da operação por dias, alguns até meio ano. Segundo relatos da mídia local, 38 membros da CAG foram presos naquele dia e mais de 340.000 RMB (cerca de US $48.500) do dinheiro oferecido pela Igreja foram confiscados.

No mesmo dia, um crente da CAG estava experimentando roupas em uma loja, quando seis policiais à paisana invadiram e a levaram embora, colocando um capuz preto sobre a cabeça. Uma testemunha ocular relatou que vários policiais à paisana mantinham guarda do lado de fora da loja.

Um membro da CAG revelou a Bitter Winter que seu companheiro foi seguido por um veículo verde por alguns dias antes de sua prisão, e outro jovem membro da CAG foi preso depois que ela foi vigiada por três meses.

Da mesma forma, operações de prisão foram realizadas em outras localidades administradas por Qingdao. Em 16 de outubro, pelo menos 23 membros da CAG foram presos na cidade de Jiaozhou, no nível do condado, e em 17 de outubro, dez foram presos no distrito de Licang, em Qingdao.

O Qilu Evening News, um jornal estatal de Shandong, informou que 108 crentes do CAG haviam sido presos na cidade desde o lançamento da operação em outubro.

Fonte: Guia-me