Um pedido de vistas interrompeu o julgamento do prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (Republicanos), nesta segunda-feira (21), no Tribunal Regional Eleitoral do estado. Foram registrados até o momento, 6 votos (de um total de 7) pela condenação do prefeito à perda dos direitos políticos por oito anos.

Quem pediu vista foi o desembargador Vitor Marcelo Rodrigues. Com isto, a votação será concluída na quinta-feira (24), quando ele apresentará seu voto. Os demais desembargadores acompanharam o voto do relator, Cláudio Dell’Orto, que concordou com a procedência das acusações de abuso de poder político e de conduta vedada a agente público — caberá recurso da decisão.

Crivella é julgado pela acusação de uso da frota da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) para um evento, com a presença do prefeito, com candidatos às eleições de 2018. Entre eles, seu filho, Marcelo Hodge Crivella, candidato a deputado federal, que acabou aquela eleição na quinta suplência, e Alessandro Costa, deputado estadual. No julgamento, também formou-se maioria para considerar os dois culpados.

Foi julgada também uma outra acusação, relativa ao evento que ficou conhecido como “Café da Comunhão”, no qual o prefeito recebeu pastores no Palácio da Cidade, em evento sigiloso, combinado por WhatsApp. 

O encontro foi em julho de 2018. Na ocasião, o prefeito foi acusado de oferecer facilidades a pastores para que fiéis tivessem acesso a serviços de saúde, como cirurgias de varizes e catarata. O episódio que fico conhecido pelo bordão “Fala com a Márcia”,  funcionária que, na ocasião, o prefeito pediu para que os líderes religiosos procurassem, em busca de supostas facilidades. 

Uma CPI sobre o assunto chegou a ser formada na Câmara Municipal, mas não encontrou provas contra o prefeito. Procurada, a assessoria do prefeito se manifestou por meio de nota: “O julgamento ainda não terminou. Após concluído e publicada a decisão, no prazo legal, a defesa do prefeito Marcelo Crivella entrará com recurso. O prefeito poderá participar do pleito.”

Fonte: CNN Brasil