O dia 19 de fevereiro marcou o segundo aniversário do sequestro da garota cristã Leah Sharibu e suas colegas da escola em Dapchi, pelo Boko Haram, na Nigéria. Enquanto muitas meninas foram libertadas um mês depois (exceto cinco que morreram durante o cativeiro), Leah permanece em sob domínio dos sequestradores por causa de sua recusa em se converter ao Islã.

Nos últimos dois anos, o pastor Gideon Para-Malam aconselhou os pais de Leah, Nathan e Rebecca, e seus irmãos. Recentemente, ele se falou com a Portas Abertas (EUA) para compartilhar como está a família Sharibu, abordar rumores em andamento e incentivar os cristãos de todo o mundo a continuarem a “orando incessantemente” por Leah e sua família.

Segundo o Rev. Gideon, depois que ele soube que a jovem Leah não havia sido libertada, foi tocado por Deus para se aproximar da família e apoiá-los.

“A partir daí, eu fiz contato. Agora, presto assistência pastoral e apoio à família, não necessariamente como pastor da igreja local, mas como um irmão cristão preocupado com a Igreja perseguida na Nigéria”, contou.

“Depois que conversamos com os pais de Leah, comecei a pensar no melhor apoio prático que minha esposa e eu poderia dar à família. Após um grande evento traumático, uma pessoa pode facilmente se sentir isolada. Decidimos convidá-los para ficar conosco. Não podemos simplesmente orar a distância, eles precisam que andemos ao lado deles para que saibam que não estão sozinhos”, acrescentou.

O pastor relatou que apesar de desgastados pelo tempo de espera que se estende para ver sua filha livre do cativeiro, os pais de Leah têm continuado firmes, mas confessou que se questiona até quando vão suportar.

“A mãe de Leah está indo bem nessas circunstâncias. Mas se formos honestos, você pode realmente ficar bem, sabendo que sua filha ainda está com os sequestradores depois de quase dois anos? Não sabemos ao certo onde ela [Leah] está e exatamente o que aconteceu – e essa incerteza é difícil”, explicou.

“Às vezes Rebecca tem esse olhar distante, e você imediatamente sabe que ela está aqui fisicamente, mas sua mente e espírito estão com Leah. Nathan é um marido e pai solidário, mas quanto uma família pode suportar?”, questionou. “As solicitações incessantes de mídia que recebem também são cansativas. Você pode imaginar quantas ligações eles recebem. Jornalistas de toda a Nigéria e do mundo ligam para eles, querendo algum tipo de citação ou atualização. É uma situação difícil e talvez demais para Rebecca no momento”.

Respondendo aos rumores de que a jovem Leah teria dado à luz uma criança no cativeiro, o pastor afirmou que nada disso foi confirmado e que agora não é o momento de divulgar rumores, mas sim apoiar a família.

“Vou dizer que vemos as notícias mais como boatos. Sim, as histórias estão circulando, mas não foram confirmadas por vídeo ou fotos. Na verdade, não é a primeira vez que esses rumores são divulgados, e precisamos ter cuidado e atenção ao compartilhar essas informações. Pode facilmente desmoralizar a família Sharibu que já foi traumatizada. Mas, seja qual for a verdade, continuaremos encorajando a família de Leah”, disse.

A família teve a oportunidade de contar com o ajuda do pastor, também para junto a outras pessoas, organizar uma coletiva de imprensa e apelar pelo resgate da filha.

“Pouco antes de Leah fazer seu primeiro aniversário em cativeiro, Rebecca veio nos visitar em Jos. Isso nos deu a oportunidade de organizar uma conferência de imprensa para que Rebecca pudesse falar em nome de sua família e apelar para A volta de Leah”, explicou.

“Somos gratos pela conferência de imprensa ter chamado a atenção do Presidente Buhari. Ele viu Rebecca falando, como ela chorou em seu apelo a ele para fazer tudo ao seu alcance para trazer Leah para casa. Isso levou o Presidente Buhari a telefonar para Rebecca no dia 3 de outubro, prometendo levar a filha para casa. Esta foi a primeira vez, que eu saiba, que o presidente falou pessoalmente com a família de uma vítima sequestrada na Nigéria”, destacou.

Apoio da comunidade cristã

Quando questionado sobre o que os cristãos nigerianos e de outras nações podem fazer para apoiar a família Sharibu, o pastor destacou a importância da oração e de ter fé no poder de Deus.

“Primeiro, devemos orar constantemente. Esse também é meu compromisso. É importante que nós, sua família da fé, continuemos orando. Falem os nomes deles em suas orações. A Bíblia ordena que oremos sem cessar. Sabemos que Deus pode libertá-la em Seu poder soberano, mas Ele quer que peçamos persistente e fielmente. Nem sempre entendemos Seus caminhos, mas confiamos que Ele sabe melhor. Ele é nosso Pai e tem um plano muito maior do que podemos entender”, afirmou.

O pastor também pediu orações pelos pais e o irmão de Leah, além de outras famílias que foram afetadas por esta e outras ações do Boko Haram.

“Ore por Nathan, Rebecca e Donald (irmão mais novo de Leah) e todas as outras famílias afetadas por esses sequestros. Ore para que o presidente e o governo nigeriano ajam e ponham em movimento planos para garantir a libertação de Leah e de todos os outros nigerianos mantidos em cativeiro”, destacou.

Esperança

Comovido pela situação da família de Leah e tantas outras que têm seus parentes em cativeiro do Boko Haram, o pastor afirmou que ainda não perdeu as esperanças de ver essa situação solucionada.

“As promessas de Deus me dão esperança. Como cristãos, devemos constantemente nos lembrar de Suas promessas, nos apegar a elas e não desistir. Eu acredito que Deus é um Pai fiel. Eu acredito no tempo dele. No momento certo, Ele trará Leah e todos os outros que estão em cativeiro para casa”, afirmou.

“Há luz no fim do túnel? Sim certamente. Não são os opressores que determinam nossos passos, mesmo que eles acreditem ter o poder. Deus é todo poderoso e soberano. A Bíblia nos ensina que o coração do rei está nas mãos de Deus (Pv 21: 1). Somente Deus pode mudar a situação na direção que deseja. Não é fácil entender por que essas coisas estão acontecendo, mas acredito que o nome de Deus está sendo glorificado pela situação de Leah, mesmo que não possamos ver agora como isso vai acontecer”, acrescentou.

Fonte: Guia-me