Um pai do Estado do Texas (EUA), está lutando para proteger seu filho de apenas sete anos da transição de gênero, enquanto sua ex-mulher está se movendo na direção oposta, para transformar o garoto em uma menina. Este é apenas o caso mais recente de pais travando uma batalha legal sobre o sexo de seu filho, nos Estados Unidos.

Jeff Younger foi acusado de abuso infantil por sua ex-esposa por não tratar o filho James como uma menina, de acordo com o LifeSite News.

Younger diz que está procurando preservar os interesses de seu filho, o pequeno James, que só manifesta características femininas quando está perto de sua mãe.

“James se apresenta como um garoto comigo e ele se apresenta como uma garota com sua mãe”, disse Younger.

O pai explicou que James gosta de lutar, lutar com espadas, jogar videogame e procurar insetos.

O irmão gêmeo de James, Jude, está confuso com a situação, mas Younger foi ordenado pelo tribunal a não discutir detalhes com ele.

A mãe de James, Anne Georgulas, registrou a criança no jardim de infância como uma menina com o nome “Luna”. Quando ele está com a mãe, ele se veste como uma menina e até usa o banheiro feminino.

O site americano CBN News entrou em contato com o advogado de Georgulas, mas não teve resposta antes da publicação. Seu lado pode ser visto através da ordem de restrição que ela apresentou contra Younger, proibindo-o de pegar os dois filhos na escola. A ordem também o proíbe de conversar com os professores de James ou com ele na frente de seus amigos.

“Limitar a posse consecutiva do Pai durante a noite de ambos os filhos e / ou a supervisão do pai, se ele não o chamar [James] de Luna (sic). Impedir o pai de se envolver em um comportamento não afirmativo e / ou levar Luna para fora de casa como James, ou permitindo que outros o façam “, afirma o caso dela.

Georgulas é pediatra e foi autorizada a administrar o tratamento psiquiátrico e psicológico de James e Jude. Ela levou James para ver uma conselheira, que o diagnosticou com disforia de gênero.

Younger disse: “Quando levei James para ver sua conselheiro que o afirma como menina, ele foi como menino. A conselheira colocou duas notas adesivas em cima da mesa. Uma estava com James. Uma tinha o nome falso de menina. Então ela pediu: ‘qual nome você quer que seja chamado, pegue a nota’. Ele pegou James. “

O pai argumentou que James não atende aos critérios para apoiar um diagnóstico de disforia pediátrica de gênero e não deve ser permitido que ele tome esse tipo de decisão que provoca alterações para o resto da vida.

Contexto

A CBN News já havia relatado outras disputas familiares sobre o sexo de uma criança. E há um debate significativo sobre a transição de crianças para o sexo oposto, mesmo entre alguns na comunidade médica secular.

“Os médicos não têm evidências de que o tratamento será o correto”, explicou o psiquiatra Dr. Paul McHugh, da Universidade John Hopkins, em Baltimore. “Muitas pessoas estão fazendo o que equivale a um experimento com esses jovens sem dizer que é um experimento”.

Já a pediatra Michelle Cretella disse durante um fórum da Heritage Foundation: “Doutrinar as crianças em idade pré-escolar com a mentira de que você pode ‘ficar preso no corpo errado’, mais uma vez, isso está atrapalhando os testes normais da realidade e o desenvolvimento cognitivo. Essas coisas são abusivas”.

Fonte: Guiame